118

Dois meses após atentado a escolas no ES, aluna é a única internada e segue com bala na cabeça: ‘Guerreira, um milagre’

dois-meses-apos-atentado-a-escolas-no-es,-aluna-e-a-unica-internada-e-segue-com-bala-na-cabeca:-‘guerreira,-um-milagre’



Segundo o pai, a adolescente de 14 anos recupera lentamente os movimentos e a fala. Thais Pessotti da Silva, foi baleada na cabeça em ataque a escolas em Aracruz
Arquivo pessoal
Dois meses depois do atentado a duas escolas em Aracruz, no Norte do Espírito Santo, que matou quatro pessoas e feriu outras doze, a aluna Thaís Pessotti da Silva, de 14, é a única vítima do ataque que segue internada. A estudante foi baleada na cabeça e, devido à complexidade do ferimento, segue com o projétil alojado no corpo.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Às vésperas de completar 60 dias da tragédia, o pai de Thaís conversou com exclusividade com o g1 na noite desta terça-feira (24).
“Nossa pequena grande guerreira é um milagre que Deus nos deu a oportunidade de vivenciar. Ela luta pela vida e surpreende a medicina e a todos com sua força e evolução”, falou o pai.
O técnico de pesquisa Almir Rogério da Silva contou que, em meados de dezembro, a filha foi transferida do Hospital Infantil de Vitória e segue o tratamento em um hospital particular da Grande Vitória, sem previsão de alta.
“Nossa pequena grande guerreira reage bem ao tratamento. Thais foi atingida com um tiro na cabeça e o projétil ainda está alojado”, explicou.
Para acompanhar a estudante no hospital, a família inteira se mobiliza e se reveza para dar mais atenção e suporte à jovem.
Thais está sempre acompanhada do pai, da madrasta, da irmã mais velha e da mãe.
De acordo com o pai, Thais tem recebido cuidados para reabilitar a fala e os movimentos, que vêm voltando aos poucos.
“Desde o atentado, Thais vem apresentando vitórias diárias, nos fortalecendo e mantendo nossos corações cada dia mais quentinhos e nos enchendo de esperança. O tratamento tem focado na parte fonoaudiológica e fisioterapêutica, com conquistas diárias altamente comemoradas. Na parte motora, o movimento do lado esquerdo voltou primeiro, ainda em evolução em sua coordenação, o lado direito começou a acordar os movimentos há duas semanas e vem evoluindo diariamente”, comemorou.
Segundo o pai, a filha realiza as atividades que são propostas com entusiasmo e a cada novo comando realizado, a alegria dela contagia todos a sua volta.
“Thais mantém interação com todos ao seu lado, contagiou toda a equipe com suas caras e bocas. Está desenvolvendo bem em relação a fonoaudiologia, começando a imitar o som proposto mesmo sabendo que há um longo caminho a ser vivido em prol da sua restauração completa”, disse Almir.
O pai agradeceu as orações que a filha tem recebido de familiares, amigos, amigos dos amigos e de todos os desconhecidos que mandam boas energias para Thais, torcendo por sua recuperação.
“Quero agradecer também a empresa onde trabalho, a Suzano, por todo suporte a Thaís e à nossa família. Aproveito para manter o pedido de orações a todos para a recuperação plena de Thais. Sabemos que o caminho é longo, mas minha filha nunca estará sozinha”, agradeceu Almir.
Escola Primo Bitti, em Aracruz, reformada após o ataque
Sedu/Divulgação
No atentado, em 25 de novembro de 2022, 13 pessoas foram baleadas, 10 delas professores. Três professoras morreram.
Dos três alunos que foram baleados, uma menina morreu e Thais segue internada. A família de um menino que também foi baleado no abdome não deu detalhes sobre o estado de saúde do garoto.
Além deles, outras três pessoas ficaram feridas no ataque em decorrência da confusão para fugir do assassino, dentre elas uma aluna que quebrou a perna.
Vítimas do ataque a escolas no ES
LEIA TAMBÉM
Ataque em Aracruz completa um mês e sobreviventes falam sobre recuperação: ‘Nosso renascimento’
Ataque em Aracruz: ‘Pedi a Deus para poupar minha vida e conseguir voltar para casa’, diz professora ao ter alta
Professora indígena baleada nas costas recebe alta: ‘Caí, mas me mantive lúcida o tempo todo’
O ataque
Selena Sagrillo, Maria da Penha Banhos, Cybelle Bezerra e Flavia Amos, vítimas do ataque a escolas em Aracruz
Reprodução/TV Gazeta
O ataque a duas escolas em Aracruz, no Espírito Santo, deixou quatro mortos e 12 feridos.
O assassino, de 16 anos, estudou até junho no colégio estadual atacado. A investigação apontou que o ataque foi planejado por dois anos e que o criminoso usou duas armas do pai, um policial militar.
Os disparos aconteceram por volta das 9h30 na Escola Estadual Primo Bitti e em uma escola particular que fica na mesma via, em Praia de Coqueiral, a 22 km do centro do município. Aracruz, onde o ataque aconteceu, fica a 85 km ao norte da capital.
Ataque a escolas em Aracruz deixa mortos e feridos
Arte/g1
Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o assassino arrombou dois portões e invadiu, pelos fundos, a escola estadual. Com uma pistola, ele foi até a sala dos professores e atirou contra os educadores. Duas professoras morreram no local. Nenhum aluno foi baleado na primeira escola.
Na sequência, o atirador deixou a escola estadual em um carro e seguiu para a escola particular Centro Educacional Praia de Coqueiral. Na unidade, uma aluna foi morta. Após o segundo ataque, o assassino fugiu em um carro. Ele foi apreendido ainda na tarde após o ataque.
Um dia após o atentado, a Polícia Civil informou que o criminoso vai responder por ato infracional análogo a três homicídios e a 10 tentativas de homicídio qualificadas. Também no dia seguinte ao ataque, uma professora baleada na primeira escola, que estava internada, morreu.
No dia 4 de dezembro, o assassino foi sentenciado a cumprir até três anos de internação. O tempo é o limite máximo estabelecido como de medida socioeducativa para adolescentes pela lei.
Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo
Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo

Mata

0 comments on “Dois meses após atentado a escolas no ES, aluna é a única internada e segue com bala na cabeça: ‘Guerreira, um milagre’

Leave a Reply

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: