MPF atribui ‘grave situação’ dos Yanomami à ‘omissão do estado brasileiro’ durante governo Bolsonaro

mpf-atribui-‘grave-situacao’-dos-yanomami-a-‘omissao-do-estado-brasileiro’-durante-governo-bolsonaro



Desassistência de indígenas Yanomami fez Ministério da Saúde decretar emergência de saúde pública. Plano é fazer hospital de campanha para atender casos urgentes de indígenas doentes. O que está acontecendo com o povo Yanomami?
A grave situação de saúde e segurança alimentar sofrida pelos povos Yanomami é resultado da omissão do estado brasileiro em assegurar a proteção do território frente ao aumento de garimpos ilegais na reserva. Este é o entendimento do Ministério Público Federal, divulgado nesta segunda-feira (23), em nota pública que cita cobranças feitas ao governo federal entre os anos de 2019 a 2022, durante a gestão de Jair Bolsonaro.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Na nota, ao mencionar ações judiciais nos últimos quatros anos para obrigar a União a conter o problema de invasores na Terra Indígena Yanomami – a maior reserva indígena do país –, o MPF cita que “as providências adotadas pelo governo federal foram limitadas”.
“Com efeito, nos últimos anos verificou-se o crescimento alarmante do número de garimpeiros dentro da TI Yanomami, estimado em mais de 20 mil pela Hutukara Associação Yanomami”, destaca a Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do MPF, responsável pela nota divulgada.
A crise sanitária enfrentada pelo povo Yanomami fez com que o Ministério da Saúde decretasse emergência na saúde para combater a desassistência aos indígenas. O presidente Lula (PT) visitou uma casa de saúde na capital Boa Vista e se disse abalado com a situação desumana que viu.
O MPF afirmou ter o compromisso de continuar atuando para coibir as atividades ilegais de garimpo e outros ilícitos em terras indígenas para a retirada de invasores nas Terras Indígenas Yanomami, além de sugerir o fortalecimento da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).
LEIA TAMBÉM
Lula visita Casa de Saúde Yanomami e diz que situação de indígenas é desumana: ‘O que vi me abalou’
Quase 100 crianças morreram na Terra Indígena Yanomami em 2022
Ministério da Saúde decreta emergência de saúde pública para combater desassistência de indígenas Yanomami
Crianças Yanomami resgatadas neste domingo, 22 de janeiro de 2023
Weibe Tapeba/Sesai/Divulgação
Ações judiciais
Na esfera judicial, o MPF citou ao menos três iniciativas em defesa dos povos Yanomami, Yekuana e outros em situação de isolamento voluntário que vivem na Terra Indígena Yanomami.
Em 2019, no primeiro ano do governo Bolsonaro, o órgão ajuizou uma ação para que a ordem judicial de instalação de três bases de proteção etnoambiental da Funai em pontos estratégicos da Terra Indígena Yanomami fosse cumprida pelo governo federal.
A medida foi determinada em ação civil pública ajuizada dois anos antes, com o objetivo de reprimir ação de garimpeiros na região.
Durante a pandemia de Covid-19 e diante do que chamou de “inércia do governo federal”, o MPF acionou a Justiça para que a União, Funai, Ibama e ICMBio fossem condenados a apresentar plano emergencial de ações e respectivo cronograma para monitoramento territorial efetivo da Terra Indígena Yanomami.
A ação também cobrou medidas para o combate a ilícitos ambientais e a expulsão de garimpeiros da região. Houve decisão favorável do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).
Houve, ainda, a ação no Supremo Tribunal Federal (STF) cobrando a retirada de garimpeiros e a proteção territorial da Terra Yanomami, por meio da ADPF 709 – neste caso, o MPF atua no caso por delegação do procurador-geral da República, Augusto Aras.
“Por mais de uma vez, o órgão afirmou que as ações governamentais destinadas à retirada dos invasores da Terra Indígena Yanomami eram insuficientes, com efeitos localizados e temporários. Em dezembro de 2022, o MPF também alertou para o descumprimento de ordens judiciais expedidas pelo STF, TRF1 e Justiça Federal de Roraima”, cita.
Em novembro do ano passado, a Câmara Indígena do MPF enviou, em ofício, um alerta sobre o cenário calamitoso no território Yanomami e alertou a equipe de transição sobre a ausência de ações concretas “para frear a tragédia humanitária em curso poderia resultar na futura responsabilização internacional do Estado brasileiro pelo genocídio da população indígena”.
Outro ponto destacado pelo MPF para elencar a omissão do governo brasileiro, à época presidido por Bolsonaro, foi o projeto de lei que visava legalizar a exploração mineral e de recursos hídricos nas terras indígenas. O texto, segundo o órgão, é considerado inconstitucional.
VÍDEOS: mais assistidos do g1

Vito Califano

0 comments on “MPF atribui ‘grave situação’ dos Yanomami à ‘omissão do estado brasileiro’ durante governo Bolsonaro

Leave a Reply

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: